Fetali e Vila da Serra

 

A Clínica Fetali Medicina Fetal e Ultrassonografia e o Hospital Vila da Serra se unem para formar um Centro pioneiro de Diagnóstico Fetal Avançado e Terapêutica Fetal.

Estamos preparados para a realização de cirurgias fetais de grande porte como a Correção da Mielomeningocele fetal pré-natal e para a realização de diversos procedimentos de menor porte como Transfusões sanguíneas fetais, correção da Válvula de Uretra Posterior, colocação de drenos fetais diversos, implantação de pessários na prevenção do parto prematuro e realização de procedimentos diagnósticos invasivos.

Cirurgia fetal intraútero para correção da mielomeningocele: êxito no Hospital Vila da Serra

Êxito com o nascimento de Pérola e Brenda.

A cirurgia fetal intraútero para correção de mielomeningocele, também conhecida como espinha bífida, apresenta novo êxito no Hospital Vila da Serra, Nova Lima, Minas Gerais. Depois do nascimento de Pérola, no dia 31 de julho, nasceu, agora, Brenda, no dia 15 de agosto, para grande alegria de seus pais e da equipe que realizou ambos os procedimentos cirúrgicos.

O cirurgião fetal Fábio Batistuta de Mesquita: “tivemos resultados obstétricos e neurológicos acima da média”

É importante destacar a felicidade dos pais de Pérola, Walkiria Flaviana de Oliveira Mendes, de 32 anos, e Peter Martins, 37 anos. E dos pais Brenda Daniele Cristina da Silva, de 30 anos; e Rilder Andrade das Chagas Silva, de 29 anos, pela superação de todas as dificuldades e riscos da gestação em casos como esse. Os casais são respectivamente das cidades de João Monlevade e Pedra do Indaiá, interior de Minas Gerais.

O cirurgião fetal Fábio Batistuta de Mesquita, que acompanhou as duas histórias, vê com muito otimismo os resultados das cirurgias para correção de Mielomeningocele intraútero realizadas. “Primeiramente, porque conseguimos reproduzir com êxito a técnica de “Peralta” que, comprovadamente, tem mostrado os melhores resultados neurológicos para o bebê e excelente relação de “risco x benefício” para a gestante. Também porque tivemos resultados obstétricos e neurológicos acima da média, com gestações ultrapassando as 37 semanas sem complicações, o que nos permitirá beneficiar as pacientes provenientes de todo o estado de Minas Gerais e estados vizinhos, com um padrão de assistência semelhante aos melhores centros de tratamento fetal do mundo”.

Segundo ele, “o êxito das cirurgias se dá graças ao pioneirismo da instituição, que dispõe de toda a estrutura necessária e de uma equipe multidisciplinar especializada para corrigir, durante as primeiras semanas da gestação, um grave problema de má formação do feto, realizando a cirurgia dentro do útero da mãe.

Entenda – Até a oitava semana de gestação, acontece o fechamento do sistema nervoso e da coluna do bebê. Naqueles que são diagnosticados com mielomeningocele, esse processo não acontece naturalmente e os nervos ficam expostos.

“A malformação ocorre na região lombar e essa abertura na coluna pode comprometer o desenvolvimento psicomotor da criança ao longo de toda a vida”, explica o cirurgião fetal e coordenador da equipe multidisciplinar especializada nesse procedimento, Dr. Fábio Batistuta de Mesquita.

A exposição das raízes nervosas do bebê faz com que o líquido produzido no cérebro extravase pelo orifício da medula, o que reduz a pressão intracraniana da criança. Sem correção, a doença pode levar a casos de hidrocefalia, má formação de nervos e neurônios e problemas locomotores variados. Existe, ainda, o risco de dificuldades na função da bexiga e do intestino, explica.

Como funciona – Geralmente, a cirurgia, baseada na “Técnica de Peralta”, desenvolvida pelo cirurgião fetal Professor Doutor Fábio Peralta, é realizada entre a 19ª e a 26ª semanas da gestação, quando o cérebro está em processo de formação. Assim, reduz-se o risco de complicações maternas e é possível prolongar a gravidez até aproximadamente a 37ª semana. O procedimento também impede que os danos iniciais se agravem, já que o líquido amniótico tem uma ação corrosiva sobre os nervos expostos.

A mielomeningocele é a única má formação fetal não letal, que tem indicação de cirurgia intraútero, realizada antes do nascimento do feto. Existe farta bibliografia médica que comprova que esse procedimento reduz a necessidade de tratamentos depois do nascimento. “A cirurgia também dobra as chances da criança andar sem o uso de próteses e órteses e reduz em 80% a necessidade de se colocar a válvula no cérebro, para reduzir a pressão intracraniana, devido a hidrocefalia”, enfatiza o Dr. Fábio.

A equipe do Hospital Vila da Serra, responsável pela cirurgia fetal, nos dois casos, é composta pelos seguintes médicos: cirurgião fetal, Dr. Fábio Batistuta de Mesquita; fetólogo auxiliar, Dr. Francisco Eduardo Lima; obstetra do alto risco, Dr. Luiz Guilherme Neves; neurocirurgião pediátrico, Dr. José Aloysio Costa Val; neurocirurgião auxiliar, Dr. Leopoldo Mandic; anestesista, Dr. Rodrigo Bernardes; 2º anestesista, Dra. Mariana Rajão, e microcirurgia plástica, Dra. Vivian Lemos.

Acompanhamento HVS – Da mesma forma em que os casos têm sido acompanhados no pré-natal, depois do nascimento, o bebê continuará a receber um atendimento especial, já que o tratamento terá continuidade. De acordo com o cirurgião, a ideia é implantar um Centro de Referência de Cirurgia Fetal no Hospital Vila da Serra para garantir que as pacientes sejam tratadas em Minas Gerais.

Fonte:

Após cirurgia inédita em Minas, nasce bebê operado dentro do útero – Gerais – Estado de Minas

A bebê Pérola Mendes Martins apresentou má formação fetal nas primeiras semanas de gravidez, mas cirurgia pioneira conseguiu corrigir o problema que poderia te
— Ler em www.em.com.br/app/noticia/gerais/2018/08/07/interna_gerais,978751/apos-cirurgia-inedita-em-minas-nasce-bebe-operado-dentro-do-utero.shtml

Entrevista na TV Canção Nova

Jornal Hoje em Dia – Nascimento de Pérola

Clínica Dr Fábio Batistuta de Mesquita

Clínica Dr Fábio Batistuta de Mesquita

Ultrassom na Gravidez

O exame de ultrassom é uma das melhores ferramentas médicas para avaliar o bem estar do bebê e certificar se não há fatores de riscos adicionais.

Deve ser realizado pela primeira vez de 7 a 9 semanas para verificar o número de bebês, o local onde a gestação foi gerada e estabelecer a data provável do parto.

O segundo exame deverá ser o Morfológico de 1º trimestre, feito de 11 a 14 semanas. É também conhecido como exame da Translucência Nucal, que é apenas um dos aspectos anatômicos avaliados para rastrear malformações e síndromes.

O terceiro exame é o Morfológico de 2º trimestre, realizado de 18 a 24 semanas. Nessa avaliação detalha-se toda a morfologia fetal, mede-se o colo do útero para se determinar o risco de parto prematuro e avalia-se a circulação placentária com o Doppler.

O quarto exame pode ser feito de 30 a 35 semanas, a depender de fatores de risco materno e resultados prévios. Indicado para reavaliar a morfologia fetal, avaliar o ritmo de crescimento fetal e seu bem estar. Nessa oportunidade avalia-se o líquido amniótico, mede-se o bebê e avalia a função placentária.

Outros exames poderão ser solicitados a depender dos resultados obtidos, dos fatores de risco da gestação, de intercorrências materno-fetais ou ao critério do obstetra.

Marque seu pré-natal com o obstetra assim que souber que está grávida e faça seus ultrassons com um especialista em medicina fetal, assim ambos cuidarão para que mãe e bebê sigam juntos saudáveis e seguros.

— Ler em drfabiobatistuta.negocio.site/

Qual o Ultrassom mais importante na Gravidez?

download

Se eu pudesse fazer apenas um exame de ultrassom durante toda a gravidez, qual exame seria o mais importante?

Talvez esse dilema não seja a realidade para a maioria dos leitores, mas é com certeza a realidade da grande maioria das gestantes do país.

Cada exame tem sua importância e possibilita obter informações valiosas a cada estágio do desenvolvimento do bebê.

Mas tem um exame que reúne um volume de informações preciosas e muito seguras para o fetólogo e para o obstetra. O Ultrassom Morfológico de 1º Trimestre, também conhecido como Exame de Translucência Nucal!

O Exame Morfológico de 1º trimestre é realizado no período de 11 semanas a 13 semanas e 6 dias e possibilita um estudo minucioso do bebê que vai muito além da medida da Translucência Nucal isolada.

images (9)

Porque esse exame é tão importante?

  • É feito num momento da gestação em que o cálculo da Idade Gestacional e a Data Provável do Parto, tem uma margem muito pequena para erros.
  • Nos casos de gestações gemelares, é possível determinar se é uma placenta única ou se são placentas diferentes. Essa informação é determinante na maneira de conduzir o pré-natal.
  • Nessa fase é possível determinar cerca de 60% das anomalias estruturais importantes para o bem estar fetal.
  • Além da Translucência Nucal, é possível avaliar a presença do Osso Nasal, do Fluxo sanguíneo no Ducto Venoso, o Refluxo na Válvula Tricúspide e outros marcadores estruturais das Síndromes Genéticas.
  • Por meio da história clínica, exames bioquímicos, exame físico materno, avaliação do Doppler das Artérias Uterinas e o cruzamento dessas informações com software licenciado, é possível identificar 90% das gestantes que terão Pré-Eclâmpsia Precoce. O tratamento preventivo da Pré-Eclâmpsia precoce em tempo hábil, reduzirá o risco dessa doença pela metade.
  • Permite selecionar as gestantes com história de Parto Prematuro e iniciar o tratamento, o seguimento ultrassonográfico e clínico adequados. A prevenção do Parto Prematuro reduz a principal causa de Mortalidade Neonatal.
  • Permite identificar a grande parte dos Bebês que apresentarão Doenças do Coração.

Gestante, ao consultar pela primeira vez, lembre-se de solicitar ao seu obstetra um exame Morfológico de 1º Trimestre. Faça seu exame com um Fetólogo credenciado pela Fetal Medicine Foudation e consulte o perfil de risco da sua gestação.

Dê voz a quem ainda não consegue se expressar sozinho e aumente as chances de se ter um bebê saudável!

Prevenir é a melhor maneira de se ter saúde! 

Lipo após o parto

Fazer lipo logo depois de ter um filho é modismo arriscado

JULIANA CUNHA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Quem engravida depois dos 35 pode encontrar mais dificuldade para voltar ao peso anterior. Mulheres que deram à luz ao primeiro filho lá pelos 20 anos e voltam a engravidar depois dos 30 costumam sentir a diferença.

Como Lucila Figueiredo, 39. Teve seu segundo filho há um ano e dois meses ainda não recuperou a forma. “Engordei 17 quilos na gravidez, nunca me senti tão imensa.” Ela, 1,60 m, pesava 70 quilos quando engravidou.

Editoria de Arte/Folhapress

 

“Na gestação mantive meus hábitos. Nunca fui de comer porcarias, frituras, mas uma segunda gravidez com 38 anos contribuiu para ganhar tudo isso de peso”. Quanto teve a primeira filha, aos 29, engordou nove quilos.

“Não fiz e não faço atividade física. Durante a amamentação perdi dez quilos. Passei o ano oscilando entre 75 e 77 quilos até que, em dezembro, resolvi encarar uma dieta. Até agora perdi dez quilos”, conta Lucila.

LIPO NÃO VALE

Uma lenda urbana que circula entre novas mães diz que celebridades saem da mesa de parto diretamente para a mesa de lipoaspiração.

O procedimento, embora não seja ilegal, é de alto risco. O organismo leva seis semanas para voltar ao normal depois do parto. Nesse período, a mulher ainda tem anemia relacionada ao sangramento do parto e seus hormônios ainda não voltaram ao normal, o que pode influenciar na coagulação. Coração, fígado e rins ainda estão se recuperando da sobrecarga da gravidez.

“Tudo isso gera um risco aumentado para a anestesia e para a cirurgia”, explica o obstetra Paulo Nowak. Para o médico, a lipo só deveria ser feita depois do desmame.

“A amamentação interfere na liberação hormonal, o que gera impacto na coagulação e eleva muito o risco de trombose”, afirma o médico.

Recuperar a boa forma ajuda a ter a resistência física necessária para carregar o bebê e todo o aparato que surge junto com ele. A ansiedade em relação a isso, no entanto, pode ser inimiga da nova mãe.

A pressa para voltar ao peso é uma “loucura escabida”, na opinião da nutricionista Andrea Santa Rosa. “A indústria da imagem tem gerado desequilíbrio na cabeça das mulheres. Em vez de criar laços com o filho, muitas ficam com a obsessão de aparecer magras na foto. É focar no ponto errado. Nessa fase, o corpo diz para a mulher que é hora de focar na cria”, diz.

Ela destaca ainda a importância do parto normal no processo de volta à forma: “Já passei por ambos; é inegável que o natural ajuda a mulher a se recuperar mais cedo”.

Editoria de Arte/Folhapress