Entenda “Risco Gestacional”

Dr Fábio Batistuta de Mesquita Médico

Médico especialista em Medicina Materno-Fetal (click foto)

Qual a possibilidade de algo ruim acontecer em nossas vidas? Qual a possibilidade do meu filho nascer doente? Existe risco de a gravidez não chegar até o final? 

Não é uma adivinhação do futuro! A análise de risco é tornar conhecido os eventos envolvidos nos fenômenos danosos a nossa saúde. 

 
Porquê analisar riscos? 

Quando entendemos o processo de um acidente, a história evolutiva de alguma doença ou os mecanismos de algo que cause dor e sofrimento, temos a escolha de agir preventivamente em alguma das etapas desse processo. Por exemplo:
– Nos acidentes automobilísticos as falhas humanas são sua principal causa e poderiam ser evitadas se agisse mos  preventivamente. A simples conferência dos pneus, dirigir descansado, sóbrio, durante o dia e numa velocidade apropriada para a via já reduziria significativamente as mortes no trânsito! 

O que é Risco Gestacional? 

 O Risco faz parte da vida e basta vivermos para estarmos expostos. A gestação é um período da vida quando dois ou mais seres dividem o mesmo corpo aumentando em diversas vezes a possibilidade do adoecer. É também um período quando o corpo materno é levado aos limites das suas capacidades físicas, mentais e emocionais. 

Hoje no Brasil, temos uma elevada taxa de mortalidade materna que corresponde a cerca de 63 mortes a cada 100.000 nascidos vivos. Numa cidade de aproximadamente 60.000 habitantes equivaleria a 7 mortes maternas a cada 10 anos. Em termos absolutos, é um número pequeno mas estatisticamente representativo, o dobro da meta estabelecida para 2015!

20121216-230540.jpg    

20121216-230709.jpg
 

O conceito de morte materna engloba as mortes que ocorrem durante a gestação ou até 42 dias após o parto, qualquer que tenha sido a duração da gravidez. A estatística para calcular as taxas de mortalidade materna incluem causas diretas de morte materna, como eclampsia e hemorragia pós parto, e indiretas (doenças preexistentes agravadas na gravidez, como diabetes e doenças circulatórias), e exclui causas externas, como acidentes. 

 A taxa de mortalidade neonatal é um importante indicador da qualidade da assistência perinatal.

Quando negamos essa realidade, insistimos em viver na ilusão infantil da imortalidade e não assumimos a responsabilidade para com nossas vidas, nossa saúde e a de quem amamos!

 


“…Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.”

Fernando Pessoa


Como administrar o Risco Gestacional? 

 Gerenciar Riscos durante a gestação é tornar conhecido os fatores danosos à saúde materna e fetal e interferir sobre os mesmo com o objetivo de reduzir suas complicações. A isso damos o nome de Pré-natal.

O modelo de acompanhamento pré-Natal tal o qual o conhecemos hoje foi proposto pelo “Ministério” da Saúde da Inglaterra há 80 anos.  Novas propostas estão sendo implantadas devido aos grandes avanços da Ultra-sonografia, da bioquímica, da informatização e do conhecimento médicos, possibilitando o uso de evidências científicas para definir novos modelos de atendimento. O modelo pré-Natal mais recente concentra todos os esforços diagnósticos nos 3 primeiros meses da gestação. Neste modelo, após a confirmação ultrassonográfica da gestação e da definição da idade gestacional, a paciente será submetida a uma minuciosa análise morfológica, bioquímica e clínica entre 11 semanas e 13 semanas e 6 dias. Os dados obtidos durante essa análise alimentarão um sofisticado sistema de informação. Cálculos estatísticos serão realizados considerando-se o histórico gestacional, a idade materna, o peso, a altura, a pressão arterial média,a idade gestacional, a análise morfológica fetal, o doppler das artérias uterinas, a medida do colo do útero e etc. Assim poderemos saber qual a probabilidade dessa criança ter uma anomalia genética, qual o risco de aborto, de trabalho de parto prematuro, de uma pré-eclâmpsia, da mãe ter um diabetes gestacional e outras patologias ligadas à gravidez.

Esse modelo é aplicado a todas as gestantes e permite individualizar o acompanhamento, selecionando quais necessitarão complementação de exames e quais poderão ser conduzidas de maneira rotineira. Isso se chama triagem!

20121217-011108.jpg

Triagem ou rastreio, seleciona as gestantes com maior risco entre todas as gestantes

Na prática, direcionaremos maior atenção para as pessoas com maiores chances de desenvolver doença e individualizaremos o acompanhamento, a realização de exames e o tratamento. Dessa maneira melhoramos a qualidade do diagnóstico, tratamos precocemente, deixamos menos sequelados, reduzimos o custo e melhoramos os  indicadores de qualidade de assistência materno-fetal.

Usando racionalmente as tecnologias médicas, garantiremos que mais famiílias realizem o sonho da maternagem.




CORRER RISCOS
Rir é correr risco de parecer tolo.
Chorar é correr o risco de parecer sentimental.
Estender a mão é correr o risco de se envolver.
Expor seus sentimentos é correr o risco de mostrar seu verdadeiro eu.
Defender seus sonhos e idéias diante da multidão é correr o risco de perder as pessoas.
Amar é correr o risco de não ser correspondido.
Viver é correr o risco de morrer.
Confiar é correr o risco de se decepcionar.
Tentar é correr o risco de fracassar.
Mas os riscos devem ser corridos, porque o maior perigo é não arriscar nada.
Há pessoas que não correm nenhum risco, não fazem nada, não têm nada e não são nada.
Elas podem até evitar sofrimentos e desilusões, mas elas não conseguem nada, não sentem nada, não mudam, não crescem, não amam, não vivem.
Acorrentadas por suas atitudes, elas viram escravas, privam-se de sua liberdade.
Somente a pessoa que corre riscos é livre!
Sêneca
(orador romano)

Anúncios

7 pensamentos sobre “Entenda “Risco Gestacional”

  1. Mas que sucesso! Me surpreendi ao ver este blog. Seguidora fiel a partir de hoje! Obrigada por compartilhar mais uma vez seus conhecimentos comigo!

  2. Meu médico do coração e da alma…..obrigada por trazer ao mundo as pessoinhas mais importantes da minha vida….Laura e Pedro…amor eterno amor….

  3. Dr.Fabio, obrigada pelo carinho e pela atenção com que voce me tratou no parto da Beatriz.Você fez com que essa experiencia maravilhosa que foi ser mãe se tornasse mais completa e mais marcante em minha vida. Foi tudo perfeito! graças a sua competência e à sua dedicação. Continue assim, ficamos(eu e Alvaro) encantados com você!!! Um grande abraço, Luciana.

    • Olá Luciana, Álvaro e Beatriz!
      Sua gravidez, trabalho de parto e parto foram muito especiais para mim. Será inesquecível!
      Participar desse despertar, desse emponderamento e das superações vivenciadas por vocês, dignifica ainda mais o meu trabalho, dá norte ao que faço e me alimenta com a certeza de que vale a pena cada noite não dormida ou cada momento longe da minha família.
      Também quero agradecer a confiança depositada, traduzida nos vários momentos de cansaço, dor e esforço sem sinais de dúvida, medo ou sofrimento.
      Obrigado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s