Clínica Dr Fábio Batistuta de Mesquita

Clínica Dr Fábio Batistuta de Mesquita

Ultrassom na Gravidez

O exame de ultrassom é uma das melhores ferramentas médicas para avaliar o bem estar do bebê e certificar se não há fatores de riscos adicionais.

Deve ser realizado pela primeira vez de 7 a 9 semanas para verificar o número de bebês, o local onde a gestação foi gerada e estabelecer a data provável do parto.

O segundo exame deverá ser o Morfológico de 1º trimestre, feito de 11 a 14 semanas. É também conhecido como exame da Translucência Nucal, que é apenas um dos aspectos anatômicos avaliados para rastrear malformações e síndromes.

O terceiro exame é o Morfológico de 2º trimestre, realizado de 18 a 24 semanas. Nessa avaliação detalha-se toda a morfologia fetal, mede-se o colo do útero para se determinar o risco de parto prematuro e avalia-se a circulação placentária com o Doppler.

O quarto exame pode ser feito de 30 a 35 semanas, a depender de fatores de risco materno e resultados prévios. Indicado para reavaliar a morfologia fetal, avaliar o ritmo de crescimento fetal e seu bem estar. Nessa oportunidade avalia-se o líquido amniótico, mede-se o bebê e avalia a função placentária.

Outros exames poderão ser solicitados a depender dos resultados obtidos, dos fatores de risco da gestação, de intercorrências materno-fetais ou ao critério do obstetra.

Marque seu pré-natal com o obstetra assim que souber que está grávida e faça seus ultrassons com um especialista em medicina fetal, assim ambos cuidarão para que mãe e bebê sigam juntos saudáveis e seguros.

— Ler em drfabiobatistuta.negocio.site/

Anúncios

Hospital Vila da Serra realiza procedimento pioneiro de cirurgia intrauterina em feto com Mielomeningocele

O Hospital Vila da Serra realizou, na última terça-feira (24/04), a cirurgia intrauterina de Mielomeningocele, um procedimento pioneiro, que envolveu uma equipe multidisciplinar altamente especializada.  A Mielomeningocele é uma malformação na coluna do bebê, fazendo com que os tecidos neurológicos da criança fiquem expostos ao líquido amniótico, causando lesões neurológicas graves e altamente incapacitantes para a criança. O defeito surge antes da 8ª semana de gestação, durante a fase de formação dos órgãos fetais.

No mundo, a grande maioria das cirurgias para tratamento da doença, são realizadas após o nascimento do bebê. Porém o tratamento da Mielomeningocele pré-natal (intraútero) passou a ser uma realidade depois que os principais estudos começaram a ser publicados em 2011, quando foi comprovado que o tratamento pré-natal melhora os resultados fetais.

Diante neste novo cenário e com a vocação materno infantil, O hospital Vila de Serra viabilizou para que a sua equipe pudesse criar um centro de atenção multiprofissional especializada na assistência da criança com Mielomeningocele, juntamente com a equipe de Neurocirurgia Pediátrica, permitindo que cirurgias fetais de grande porte pudessem ser realizadas no estado de Minas Gerais.

A cirurgia realizada no HVS consistiu na abertura do abdome materno como numa cesariana, expondo-se o útero gravídico com o bebê no seu interior. Então, é feita uma abertura no útero menor do que três centímetros pela qual a equipe de Cirurgiões Fetais e Neurocirurgiões Pediátricos realizam a correção do defeito na coluna do feto.

As causas da Mielomeningocele são multifatoriais. Estão relacionadas a defeitos genéticos variados e a exposição a fatores ambientais. O uso de drogas, medicações anticonvulsivantes, quimioterápicos podem precipitar o não fechamento da coluna do bebê. A Mielomeningocele quando tratada precocemente durante a gestação, com uma intervenção intraútero, traz diversos benefícios, dentre eles a redução do risco de hidrocefalia e a necessidade de se colocar uma válvula para aliviar a pressão no cérebro do bebê, reduz ainda o risco de complicações pós-natais imediatas como meningite e complicações na ferida cirúrgica, além de aumenta as chances da criança andar.

Porém, mesmo diante dos benefícios desta técnica, centros de cirurgia fetais são escassos no país e restritos basicamente a São Paulo e Rio de Janeiro.  A cirurgia de Mielomeningocele começou a ser realizada sistematicamente no restante do mundo a partir de 2011, após a publicação do maior estudo comparativo entre as cirurgias pré-natais e pós-natais. Após esse período, a equipe do Dr. Moron e do Dr. Sérgio Cavallero em São Paulo foi pioneira na realização dessa cirurgia pela técnica clássica e logo a seguir, a equipe do Dr. Fábio Peralta e do Dr. Antônio De Sales iniciou o tratamento da Mielomeningocele pela cirurgia aberta modificada que tem demonstrado melhores resultados fetais com redução do risco materno. Outros centros também iniciaram a cirurgia de Mielomeningocele utilizando a técnica fechada por fetoscopia, cujos resultados ainda são controversos e sua realização deve ser feita em centros de pesquisa aprovados pelo comitê de ética.

Participaram da cirurgia realizada pelo Hospital Vila da Serra: Dr. Fábio Batistuta de Mesquita, Médico Especialista em Medicina Fetal, coordenador do serviço de Medicina Fetal e Cirurgia Fetal do Hospital Vila da Serra; Dr. Francisco Eduardo Lima, Médico Especialista em Medicina Fetal, coordenador do serviço de Ultrassonografia Gineco-Obstétrica do Hospital Vila da Serra (Fetali); Dr. Luis Guilherme Neves, Médico Especialista em Ginecologia e Obstetrícia, Assistente do Serviço de Alto Risco Obstétrico do Hospital Vila da Serra; Dr. José Aloysio Costa Val, Médico Especialista em Neurocirurgia Pediátrica e Coordenador do Serviço de Neurocirurgia pediátrica dos hospitais Biocor e Hospital Vila da Serra; Leopoldo Mandic Ferreira Furtado, Médico Especialista em Neurocirurgia Pediátrica, Assistente do Serviço de Neurocirurgia dos Hospitais Biocor e Hospital Vila da Serra; Dr. Rodrigo Bernardes, Médico Especialista em Anestesiologista do Hospital Vila da Serra; Dra. Mariana Rajão, Médica Residente em Anestesiologia do Hospital Vila da Serra; Dra. Vivian Lemos, Médica Especialista em Cirurgia plástica reparadora e Microcirurgia do Hospital Vila da Serra.

A cirurgia foi realizada com sucesso, mãe e bebê passam bem, e agora ambos serão monitorados até o nascimento do bebê.

 

Fonte: Hospital Vila da Serra realiza procedimento pioneiro de cirurgia intrauterina em feto com Mielomeningocele

Serei pai de gêmeos, e agora?

 

Receber a notícia de que dois ou mais bebês estão abordo da “nave mãe” é uma das sensações mais excitantes, emocionantes e temerárias numa gravidez. São sentimentos antagônicos de alegria e medo numa só informação.

Não é para menos, dentre as situações de risco que podem envolver esse período da vida da mulher, a gravidez múltipla é uma das que agrega maiores possibilidades de complicações. A começar pelo fato de que em determinado período, três, quatro ou mais indivíduos dependerão de um só organismo.

E por se tratar de uma situação de risco, nada melhor do que se aconselhar com quem compreende profundamente desse assunto. O acompanhamento de uma gestante de gêmeos deverá ser realizado  por um especialista no assunto. Dentre as situações de risco na obstetrícia é essa a que requer um maior grau de compreensão e experiência. As taxas de complicações são mais altas entre as gestações múltiplas que entre as gestações únicas, assim como a incidência de doenças como a pré-eclâmpsia, o parto prematuro, as malformações fetais, as discrepâncias pesos e o surgimento de doenças específicas entre os gêmeos que dividem a mesma placenta.

Mães de gêmeos costumam sentir dores com mais frequência, dificuldades para caminhar, respirar ou simplesmente virarem-se na cama. Costumam iniciar as contrações uterinas de treinamento mais precocemente e sofrem com a ansiedade de ter que lidar com todas as sensações e sentimentos em dobro.

O ideal é que essas gestações sejam acompanhadas por um fetólogo, o médico especialista na saúde do bebê antes do seu nascimento e por um obstetra especialista em Alto Risco, tão logo a mãe descubra estar portando gêmeos.

Uma informação frequentemente negligenciada ou equivocada por ultrassonografistas menos experientes é a do número de placentas, informação essa que determina o risco da gestação e a maneira mais apropriada de se acompanhar essa gestante. Essa informação será obtida com maior grau de certeza nos primeiros três meses de gestação.

. Gêmeos que dividem a mesma placenta apresentam dezenas de vezes mais risco de portarem alguma anomalia estrutural, de apresentarem doenças específicas de quem divide a mesma circulação sanguínea e de morrerem subitamente ao longo da gravidez. Esse tipo de gemelaridade, também chamada de “monocoriônica”, requer seguimento ultrassonográfico morfológico detalhado a cada trimestre de gestação, monitorização ultrassonográfica do colo uterino pela via transvaginal e ultrassonografias seriadas quinzenais a partir de 16 semanas de gestação.

O diagnóstico precoce de uma doença específica da gravidez de gêmeos permite uma abordagem mais racional, com menor possibilidade de complicações e quando necessário, o tratamento cirúrgico com laser para interromper a comunicação vascular entre os gêmeos e separar as placentas.

Pais, invistam na segurança dos seus filhos, consultem um especialista em acompanhamento ultrassonográfico de gêmeos e fiquem tranquilos durante a gestação.

 

 

Dr Fábio Batistuta de Mesquita
Fetólogo e pai de Gêmeas

Orientações para o Exame de Ultrassom

Obrigado por escolher a Clarear Ultrassonografia para a avaliação ultrassonográfica do seu bebê.
Algumas informações serão muito importantes para que uma boa comunicação seja desenvolvida e para que as suas expectativas em relação ao exame estejam as mais próximas das de quem presta a assistência médica.

Finalidade do Exame
O exame de ultrassom é para fins médicos. Indicado para avaliar a morfologia do bebê, o seu desenvolvimento e o seu bem estar.
Seu uso faz parte de inúmeras estratégias pré-natais para definir o risco gestacional, para rastrear condições que impliquem no aumento do risco gestacional, para auxílio diagnóstico, controle e avaliação do resultado de tratamentos fetais e auxilio na definição do momento adequado para interrupção da gestação quando há doenças maternas e fetais.
É um exame altamente técnico, de difícil compreensão e destinado aos profissionais médicos que acompanham a gestação.
Requer que seja realizado por profissional altamente especializado, que tenha formação técnica e título de especialista.

Gravações e Exames 3D e 4D
O uso recreativo do ultrassom, somente para ver o sexo, fazer imagens em 3D ou gravar vídeos em 4D é divertido e seu uso é meramente lúdico.

Portanto algumas ponderações deverão ser feitas:
– Não está coberto pelo seu plano de saúde e pode gerar despesas adicionais.
– Esses exames não fazem parte de nenhuma rotina médica e não estão indicados como uma ferramenta diagnóstica. Caracterizam um capricho e não asseguram que seu bebê esteja realmente sendo cuidado!
– Para as pacientes que fazem o exame por meio de pagamento “Particular” (sem descontos) esses serviços já estão inclusos como uma cortesia oferecida pela empresa.
– Sempre ressaltamos que imagens esteticamente perfeitas, compreensíveis e que atendam às expectativas do cliente leigo nem sempre são possíveis de serem obtidas devido a limitações técnicas: pouco líquido, bebê mal posicionado, idade gestacional avançada, obesidade materna, cicatrizes abdominais de cirurgias prévias (Lipoaspiração, plástica abdominal, etc), gêmeos, etc.

– Na Clarear não é permitido gravações com celulares por vários motivos. Primeiro porque fere o princípio do sigilo médico, pois durante o exame muitos aspectos da história pessoal da paciente podem ser questionados e segundo porque fere o direito de preservação da imagem do profissional.

Roupas e Vestuários
O ideal é o uso de roupas leves, confortáveis, não apertadas, fáceis de serem trocadas e que permitam uma fácil exposição do abdome e do púbis para não atrapalhar o manuseio da sonda nem se molharem com o gel.
É recomendável não aplicar cremes ou pomadas hidratantes na barriga no dia do exame.

Alimentação
É importante que a gestante não esteja de jejum prolongado durante o exame, sendo recomendada a ingestão de um lanche leve, um suco, uma vitamina, chocolate ou uma barra de cereais pelo menos 1 hora antes.
Alimentações muito pesadas ou excessivas podem causar mal estar e refluxo, devendo ser evitadas.

Documentos, Cartão de Pré-Natal e Exames Prévio.
É imprescindível que a paciente esteja portando todas as informações pertinentes a atual gravidez durante consultas ou exames de ultrassom. Sempre confira se está levando seu cartão pré-natal, documentos de identificação, carteirinha do convênio e pedido de exame devidamente preenchido e autorizado.
Recomendo organizar todos os papéis e resultados de exames dentro de uma pasta tipo “Porta-Documentos”, dispostos em ordem cronológica à medida que vão sendo realizados.

Crianças e Acompanhantes
“Ver” o bebê na tela é sempre um motivo de muita alegria e alívio para os pais e por isso, muitas mães gostariam de compartilhar esses momentos com as pessoas amadas.
No entanto, algumas ponderações devem ser feitas:
– Crianças pequenas não têm a mesma percepção e capacidade de compreensão que adultos. Na grande maioria das vezes não conseguem fixar a atenção por mais que 3 minutos e se desinteressam rapidamente pelo exame. Normalmente ficam ansiosos com a demora e começam a competir pela atenção dos pais e do profissional, podendo atrapalhar o exame.
– Muitas vezes o exame precisa ser complementado pela via vaginal e isso pode causar constrangimentos, a depender do nível de intimidade do acompanhante.
– O momento do exame é também o momento de avaliação e consulta médica, podendo o resultado ser muitas vezes diferente da expectativa. Não é incomum o médico ter que comunicar alguma notícia desagradável e muito particular para o casal. Nesse contexto, a presença de crianças ou pessoas não íntimas, pode dificultar a abordagem pelo profissional.
– Noutras vezes o clima de euforia provocado pela notícia da gravidez pode não condizer com o ambiente de atendimento médico. Muitos acompanhantes, mesmo adultos, extrapolam com conversas paralelas, ligações telefônicas e assuntos não pertinentes à consulta, podendo inclusive interferir na concentração do profissional.
– Recomendo, quando possível, que a gestante venha acompanhada apenas do parceiro, do responsável ou de alguma pessoa intimamente ligada (mãe, irmã ou pai).

Rede Gestar de Medicina Fetal

Rede Gestar de Medicina Fetal 

*Dr Fábio Peralta

A Rede Gestar de Medicina Fetal é um grupo formado por profissionais altamente especializados e por centros médicos (clínicas, hospitais e laboratórios) de todo o território nacional, que tem como finalidade disponibilizar às gestantes os mais avançados recursos para prevenção, diagnóstico e tratamento clínico e/ou cirúrgico de todas as doenças que podem acometer o feto. 

Os objetivos principais da Rede são: garantir contínuo aperfeiçoamento, atualização e integração dos profissionais e das instituições participantes; garantir e facilitar o acesso das gestantes provenientes de todas as classes sociais (setores público e privado) aos centros e profissionais que integram o grupo. 

Os especialistas participantes da Rede têm sua formação e atualização continuadas graças a parcerias sólidas entre instituições e profissionais que promovem assistência, ensino e pesquisa. Devem ser destacados os papéis fundamentais que o Centro Gestar de Medicina Fetal, o CETRUS (Centro de Ensino em Tomografia, Ressonância Magnética e Ultrassonografia), o Hospital do Coração de São Paulo e a Chromosome Medicina Genômica têm na garantia dessa formação continuada e na assistência diferenciada a gestantes provenientes de toda a América Latina.


Atualmente, sob a coordenação do Dr. Fábio Peralta, 6 centros no Brasil e outros 3 no Chile e na Colômbia estão em processo de treinamento específico para as cirurgias fetais. Esse treinamento visa habilitar profissionais de altíssimo gabarito, que há anos têm se dedicado à medicina fetal, ao tratamento do feto com as técnicas mais avançadas e eficientes disponíveis na especialidade. Para tanto, um programa bem estruturado, que envolve as instituições mencionadas acima, se completará em dois anos, tempo mínimo para que estes especialistas realizem, com supervisão e orientação, número suficiente de cirurgias para atingir um grau de expertise que garanta bons resultados. Este investimento visa descentralizar a cirurgia fetal das cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro, facilitando, de acordo com o propósito da Rede, o acesso de pacientes de todo País a todos os tratamentos disponíveis na medicina fetal. Assim sendo, Dr. Everardo Guanabara (Ceará), Dr. Orlando Neto (Pernambuco), Dr. Sérgio Matos (Bahia), Dr. Jair Braga (Rio de Janeiro), Dr. Fábio Batistuta (Minas Gerais) e Dr. Daniel Bruns (Santa Catarina), em processo de treinamento, contribuirão em breve com o “braço terapêutico cirúrgico” da Rede Gestar. 

Abaixo os profissionais e centros que fazem parte da Rede Gestar de Medicina Fetal:
AMAPÁ

01. Dr. Enrique Leonardo Ysla

           Imagem e Diagnóstico 

R. Leopoldo Machado 1808 – Centro (mesmo prédio do Laboratório Paulo Albuquerque – sala 01 ) CEP 68900-067 

Macapá – AP

98120-6878

3223-5431
BAHIA 

01. Dra. Ônira Devay Torres Gomes 

Rua Alceu Amoroso Lima nº668, Ed. America Tower Empresarial, Salas 308/309 Caminho das Arvores

Salvador – BA

(71) 37976297

(71)37976296

(71)986022297
02. Dr. Maria Alice Albuquerque Maranhão Dantas

Clínica Pró imagem 

Avenida Luiz Tarquinio, 2.580 Vilas Trade Center (Odontomédico) sala 104/107 Vilas do Atlântico Cep: 42.700-000

 Lauro de Freitas – Ba

(71)3379-9118
03. Dr. Eduardo Ribeiro

Clinica Cliporto 

Av Iemanja s/n Porto de Sauipe

Entre Rios – BA 

(71) 999185673

(75) 3475-1292
04. Dr. Sérgio Matos 

Clínica Sérgio Matos 

Rua Leonor Calmon 256, Centro Medico Christian Barnard Sala 104 CEP 40296—210

Cidade Jardim Salvador – BA

(71) 99955-5523

(71) 3035-5523

(71) 999871856 
05. Dr. Abelardo Franco. 

Rua Manoel Fernandes de Almeida, 151, sala 08, centro

Porto Seguro-BA, cep:45810000. 

 abelardofranco@hotmail.com

(73)30121620

(73) 988937707
06. Dr. Débora Andrade. 

Hospital Aeroporto Lauro de Freitas

Estrada do Côco – Km 1,5

Lauro de Freitas – BA

(71) 32888120

(71)32888134

(71)32888190
07. Dr. Péricles Farina.

Policlínica Vida

Av Otávio Santos, 367 

Vitória da Conquista – BA

(77)2101 6441

(77)99135 9534
CEARÁ
01. Dr. Everardo de Macedo Guanabara

Clinica Evangelista Torquato 

Av. Senador Virgílio Távora 2225

CEP 60.170-251 Dionísio Torres

Fortaleza – CE

(85)31306060
IMAGEMAMA

Rua Coronel Linhares 950 L2 SALA 07

Meireles Fortaleza – CE

(85)32617172

(85)989488939
02. Dra. Virlênia 

Consultório Rua dom Lino 54 São Gerardo

Fortaleza –Ceará

(85)32233103

(85)987075454
Ultrassom no hospital Batista, hapvida

Avenida padre António Tomás 2030. Cocó
MEAC Maternidade Escola Assis Chateaubriand – UFC

Rua Coronel Nunes bairro Rodolfo Teófilo.

virleniap@hotmail.com

(85)999864294

(85)988891630
DISTRITO FEDERAL
01. Dra. Carolina Wanis Ribeiro de Sousa

Hospital Regional da Ceilândia 

St. M Qnm 28, área especial 01

No pronto socorro da obstetricia 
Clínica Medceu 

End SHLN Ed Multiclinicas Bloco J

(61)33470909
GOIÁS 
01. Dr. Jony Rodrigues Barbosa 

Policlínica São Luiz 

Rua 3-A, nº 211, Setor Aeroporto. CEP 74075-090

Goiânia-GO 

(62)32245276

(62)84147152
MATO GROSSO DO SUL

01. Dra. Caroline de Fatima Cazeiro Anderson Marra.

Rua Rui Barbosa,716 centro Cep 79935-970

Sete Quedas – MS

(67)99085600

(67)34792221
MINAS GERAIS
01. Dr. Luís Fernando La Guardia Custodio.

Núcleo Médico

Rua Paraíba, 225, 8 andar

Divinopolis – MG

(37)32227878
02. Dra. Juliana Maria Martins Lopes Mendes

Vida Clinica de diagnóstico e imagem Pré-natal 

Rua Santa Casa 223 sala 11

Bairro Santa Casa

Passos-MG

(35)35268631

(35)991729042
03. Dra. Juliana Abdalla.

Sigma Medicina Fetal

Rua Espirito Santo

1739, Lourdes Cep 30160-031

Belo Horizonte – MG

julianambl@uol.com.br

(31)99219.7275

(31)32731950
Cetrus 

Rua Sergipe 1014 / 3° andar, Savassi CEP 30130-170

Belo Horizonte – MG

(31)35668384
04. Dr. Franco Simões.

Clinica Fetal

Rua raio Christof número 13, Centro 

Montes Claros – MG

(38)3321-9092
05. Dra. Virgínia G.C. Ribeiro

Sigma Ultrassom / Scan Serviços de Ultrassom

Rua Espírito Santo, 1739 – Lourdes CEP 30.160-031

Belo Horizonte – MG

(31)3213-708

(31)997390916

(31)999764755
06. Dra. Renata Murad Macedo

Rua: Duarte Peixoto, 95 SL 304, Coqueiro CEP 36900000

Manhuaçu – MG

remurad@terra.com.br

(31)999740047

(33)33315315
07. Dr. Fábio Batistuta de Mesquita.

Fetali – Ultrassom e Medicina Fetal

Hospital Vila da Serra, Alameda Oscar Niemeyer 499, Segundo Andar. 

Belo Horizonte – MG

(31)32288187

(31)980302001


Clarear Medicina Fetal

Praça da Matriz 326, Centro, 35600-000

Bom Despacho – MG

fabiobatistuta@gmail.com

(37)988225577

(37)35223103

@clarearultrassonografia


08. Dr. Francisco Eduardo de Carvalho Lima

Fetali – Ultrassom e Medicina Fetal

Hospital Vila da Serra, Alameda Oscar Niemeyer 499, Segundo Andar. 

Belo Horizonte – MG

(31)32288187
PARAÍBA
01. Dr. Liliane de Araújo Saraiva Câmara.

Nova diagnóstico por imagem

Av Epitácio Pessoa, nº 557, Bairro dos Estados.

João Pessoa – PB

21072600
PARÁ 
01. Dr. Fernando Artur Carvalho Bastos

Centro de Medicina Fetal

Av. Antonio Barreto N• 130 Sala 1304 Ed. Village Office Bairro Umarizal CEP 66055-050
02. Dra. Tahiana

SONIMAGEM

Tv Silvino Pinto 620

Santarém – PA

(93)3522-7665
SANCLIN

Av Mendonça Furtado 1741

Santarém – PA

(93)35227874
PARANÁ
01. Dr. Alexandre Machado de Oliveira

Clínica de Ginecologia e Obstetrícia 

Rua Manoel de Moura Bueno 160

Ibaiti- PR

(43)35461285
02. Dr André Sarraff

Clinica Sarraff

Rua Voluntário da Pátria 475, 4 andar, sala 410, centro – praça Osório cep 80020926

Curitiba – PR

http://www.clinicasarraff.com.br
(41)30860008

(41)30860004

(41)85184481
03. Dr. Samir Arús

EmbryUS Ultrassonografia

Rua Nestor Guimarães, 111/Sala 104

Bairro Estrela

Ponta Grossa – PR
04. Dra. Adriana Rochembach Carneiro

Rua Dr. Cruz Machado, 586 CEP 84600-000

União da Vitória – PR
05. Dr. Aurélio José Martins

CETAC – Diagnóstico por Imagem

Rua Padre Ildefonso, 105 – Batel

Curitiba – PR

medicinafetal@cetac.com.br
(41)32703270
06. Dra. Ireni Secco

Endereço Rua José de Alencar, 3690.

Realeza – PR

(46) 3543-3190

(46) 9128-8961 
07. Dra. Aline H A Correia

Rua Generoso Marques, 1173

Reserva- PR
PERNAMBUCO

01. Dr. Glauco Desmoulins 

Clinica Ultravitae

Clinical center Karla Patrícia AV. Engenheiro Domingos Ferreira 636 sala 111 Pina CEP 51011-050 

Recife – PE
02. Dr. Orlando Gomes Neto

UNIFETUS – medicina fetal

Av. República do Líbano, 251 sala 1401

Empresarial Rio Mar Trade Center

Torre A Pina 

Recife – PE

(81)30333932

(81)999215096
03. Dra. Silvia Loretto

UNIFETUS – medicina fetal

Av. República do Líbano, 251 sala 1401

Empresarial Rio Mar Trade Center

Torre A Pina 

Recife – PE

(81)30333932

(81)999215096
RIO DE JANEIRO

01. Dr. Jair Braga

Coordenador Médico da Maternidade e Ginecologia 

Hospital Caxias D’Or , 

Av. Brg. Lima e Silva, 821 – Jardim Vinte e Cinco de Agosto CEP 25071-181  

Duque de Caxias – RJ

http://www.caxiasdor.com.br

http://www.rededor.com.br 
jair.braga@caxiasdor.com.br

(21) 2460-3600

(21) 99156-8221
 

Serviço de Medicina Fetal da Maternidade Escola da UFRJ

Rua das Laranjeiras 180, Laranjeiras

Rio de Janeiro, RJ

(21) 99156-8221
04. Dr. Cristos Pritsivelis

Serviço de Medicina Fetal da Maternidade Escola da UFRJ

Rua das Laranjeiras 180, Laranjeiras

Rio de Janeiro, RJ

(21)99629-1974
05. Dra. Juliana Mezzabarba de Carvalho Martins

Clínica Clinerj Imagens 

Rua 40 n 13 B Vila Sta Cecília

Volta Redonda – RJ

(24)33433707

(24)33489950
06. Dr. Hebert Marcelo Masson

Sonus Fetal

Rua Coronel Moreira Cesar 160, salas 1212 e 1213, Icaraí. 

Niterói – RJ

contato@centrusfetal.com.br

http://www.sonusfetal.com.br

(21)36282826

(21)971369331
RIO GRANDE DO SUL

01. Dra. Amanda Andrade Diesel

Hospital São Vicente de Paulo

Endereço: rua Teixeira Soares, n 808

CEP 99010-080

Passo Fundo – RS 

(54)33164000
02. Dra. Ana Lúcia Isotton.

Av Cristóvão Colombo, 2948/sala908, Higienópolis. CEP 90560-002

Porto Alegre – RS

http://www.medicinafetalpoa.com.br

(51)35513043

(51)98845199.
03. Dr. Carlos Eduardo Kampf

Clinica Dr. Kampf

Rua Tenente Coronel Brito, 1287, Centro. CEP 96810-020

Santa Cruz do Sul – RS

(51)37112442

(51)99949830
04. Dra.Evelin coelho Gattringer

Clínica Specialite

Rua Voluntários da Pátria 1767

(53) 9112-0898

(53) 9155-6069 (Maira/Pauline)
07. Dra. Marcela Godoy Dias 

Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Rua Ramiro Barcelos 2350 – zona 6 Setor de Medicina Fetal 

Porto Alegre – RS

(51)33598000
Hospital Mãe de Deus

Rua José de Alencar 286 – acesso 2

Setor de Medicina Fetal 

Porto Alegre – RS

(51)32302490
RORAIMA 
01. Dra. Cynthia Dantas de Macedo Lins

CLIAM – Clinica de Assistência Médica à Mulher

Boa Vista – RR

(95)3623-9836

(95)981248391

(95)991590904
Centro de Referência de Saúde da Mulher (CRSM)/Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazaré (HIMSNS)

Boa Vista – RR

(95)40094915

(95)40094942
02. Dr. Orlando Robert de Jesus

Centro de Referência de Saúde da Mulher (CRSM)/Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazaré (HIMSNS)

Boa Vista – RR

(95)40094915

(95)40094942
SÃO PAULO

01. Dr. Paulo José Cozzupoli

MedFetus

Rua Padre Manoel da Nóbrega 170 

           Santo André – SP

 (11)44386318

 (11)947690483
02. Dra. Ana Keila IDS – Institudo de Diagnóstico de Sorocaba

Avenida Santos Dummont , 200

Sorocaba – SP

(15)32117272
03. Dr. Adilson Dâmaso de Oliveira

Climed

Andradina – SP

(18)37224831

(18)991054031

(18)981118807
04. Dr. Fauze

Rua Manoel de Oliveira 269 torre1 sala 212 mogilar 

Mogi das Cruzes – SP

(11)4799-9690

(11)4725-7452
05. Dra. Ana Laura Guilhem Rosa

Tomoson

Araçatuba – SP
06. Dra. Candice Fabri Fanti

Rua Josias Silveira de Camargo , 178

Bairro Santa Catarina

Americana – SP

(19)34618864
07. Dra Cláudia Nicole dos Santos

Ecogenesis

Av Mariana Ubaldiina do Espírito Santo, 623 conjunto 64; 83 e 84. Bom Clima

Guarulhos – SP

(11)24472452
08. Dra. Fernanda Regnier Gaiotto

Centro Médico Diagnóstico (CMD Marilia) 

Rua Marechal Deodoro, 38 Centro

Marilia – SP

cmdmarilia@cmdmarilia.com.br

(14)34023030
SANTA CATARINA
01. Dr. Juliano Pereira

Rua Euclides da Cunha, 83. Edifício Almanara, segundo andar CEP 89160-00

Rio do Sul – SC

(47)35254776

(47)88611388

(47)88169370
02. Dr. Manoel Pereira Pinto Filho.

Serviço de Medicina Fetal e Diagnóstico Pré-natal da Maternidade Darcy Vargas

Joinville – SC

(47)34615750
Clínica Fêmina de Medicina Fetal e Diagnóstico Pré-natal

Rua Miguel Couto, 44, Anita Garibaldi. CEP 89202-190

Joinville – SC

(47)34331979

(47)34615750
03. Dr. Edilberto Tadeu de Goes

Rua Luiz Benz, 165 89120000

Timbó – SC  

(47)33820880
04. Dr. Daniel Bruns

Clinica Bruns

Rua Armando Odebrecht 70 Sala 601

Centro Clinico Santa Catarina CEP 89020-403

Blumenau – SC

(47)30375600

(47)96351213
05. Dr. Gustavo De Ré

Rua Prefeito Frederico Busch Jr. 124 , sala 304, Garcia. CEP 89020-400

Blumenau SC

gustavo@femme.med.br

(47)33261693

(47)99007775
06. Dra. Andrea Andraus Dantas

Centro Hospitalar Unimed 

Rua Orestes Guimarães, 905

Joinville – SC

(47)34419555
Clínica Vitae

Rua Marechal Deodoro, 84

Joinvile – SC

(47)30280402
Clínica Ultramater 

Rua Blumenau, 26

Joinvile – SC

(47)30266765 
07. Dr. Marcio Westphal

Clinica Maternité

Rua Frederico Bush Jr 220, SALA 502

88035001

Blumenau – SC

(47)30376788
08. Dr. Matheus Detoni Piccoli

Rua Marechal Deodoro 1000, sala 101.

Concórdia – SC.

89700-000
09. Dra. Nicoli Martina Testoni 

Clínica Ecomax – Centro de diagnóstico por Imagem

Rua: Tiradentes, 303 – Bairro Bom Retiro.

Blumenau – SC. 

(47)33314844

DÊ SUA OPINIÃO!

FEBRASGO reforça a importância de três vacinas durante a gestação

Destaque

JUN 15 • NOTÍCIAS • 3301 VIEWS •

Que algumas vacinas são de grande importância na gestação, todos os médicos sabem, mas muitos não tem reforçado a necessidade de imunização para as mulheres grávidas. Por isso, a presidente da Comissão de Vacinas da FEBRASGO, Nilma Antas Neves, explica que existem vacinas que estão disponíveis nos postos de saúde gratuitamente: a Vacina Influenza, Vacina dTpa e Vacina Hepatite B.

Abaixo a médica apresenta as indicações de cada Vacina. Confira:

1) Vacina Influenza

A gripe durante a gestação ou puerpério pode levar a formas clínicas graves, pneumonia e morte. O risco de complicações é muito alto, principalmente no terceiro trimestre de gestação, mantendo-se elevado no primeiro mês após o parto. As puérperas apresentam risco semelhante ou maior que as gestantes de ter complicações em decorrência da Influenza.

A vacinação contra o vírus influenza em gestantes é uma estratégia eficaz de proteção para a mãe e para o lactente. Estudo realizado demonstrou que os lactentes de mães vacinadas contra a influenza, apresentaram menos casos da doença.

Todas as gestantes devem tomar a vacina Influenza, em qualquer fase da gestação. Ela é gratuita para gestantes (qualquer idade gestacional, não precisa comprovação de gestação) e puérperas até 45 dias (levar certidão de nascimento do recém-nascido ou cartão da gestante ou documento do hospital).

2) Vacina dTpa

A vacina dTpa (tríplice bacteriana acelular do adulto) tem o objetivo específico na gestação de proteger contra tétano neonatal e coqueluche no recém-nascido. A preocupação com a coqueluche é decorrente do aumento dos casos em lactentes jovens (em idade pré-vacinação) com alta taxa de letalidade em todo o mundo. No Brasil, em 2014, mais de 50 crianças menores de 6 meses de idade morreram por coqueluche. Foi constatado que esses recém-nascidos são infectados pelos contatos próximos, principalmente pela mãe, em cerca de 40% dos casos. Os lactentes antes dos 6 meses de idade não completaram seu esquema de vacinação. Um adulto infectado pela Bordetella pertussis pode resultar em até 17 novos casos. O quadro clínico da coqueluche no adulto não é típico, devendo-se suspeitar dos pacientes com tosse seca por mais de 14 dias.

O objetivo da vacinação da gestante é diminuir a transmissão da mãe para o recém-nascido após o parto e a proteção relativa do recém-nascido através dos anticorpos maternos via transplacentária. A efetividade de proteção dos anticorpos transplacentários para o feto não é totalmente conhecida, mas certamente modifica a severidade da doença. Após a vacinação na gestação, os anticorpos maternos atingem o pico em algumas semanas e caem em poucos meses.

A vacinação da gestante deve ser com idade gestacional acima de 20 semanas (preferencialmente entre 27 e 36 semanas). A mulher deve ser vacinada em todas as gestações, independente de quando tomou a última dose da vacina dT (que é a dupla bacteriana, disponível nos postos de saúde, porém, confere proteção apenas para Difteria e Tétano).

É preciso reforçar que:

  • Se a gestante já tem seu esquema de vacinação contra tétano completo (3 doses prévias), ela precisa tomar apenas a dTpa entre 27 e 36 semanas.
  • Se a gestante não tem ou não sabe se o esquema de tétano está completo, ela deve ser vacinada com 2 doses da dT e 1 dose da dTpa (sendo esta, entre 27 e 36 semanas). O intervalo entre as doses deve ser entre 30 e 60 dias.

3) Vacina Hepatite B

Caso a gestante não tenha o esquema de vacinação completo para Hepatite B ou nunca tomou nenhuma dose, ela deve ser vacinada durante a gestação preferencialmente durante o segundo ou terceiro trimestre. O esquema completo consiste em 3 doses (0-1-6 meses). Se a gestante já tiver recebido 1 ou 2 doses, deverá completar as doses durante a gestação, não sendo necessário tomar novamente a(s) dose(s) recebidas.

Por fim, os recém-nascidos podem ser infectados ao nascerem de mães portadoras do vírus B da hepatite. O risco de infecção crônica é mais elevado, quando a exposição ocorre no período perinatal. Cerca de 25% das crianças que desenvolvem a infecção crônica morrem de carcinoma hepatocelular ou cirrose décadas após a infecção inicial.         

Fonte: Site FEBRASGO